Qual a diferença dos tipos de processo na liquidação de sentença?

Na etapa 1 do cálculo de liquidação você é convidado a selecionar um tipo de processo:

Os tipos de processo mudam a forma de calcular a liquidação.

Concessão

Selecionando o tipo de processo como concessão, você pode informar vários benefícios para contabilizarmos como atrasados.

O cálculo é feito entre a DIB e a data fim dos atrasados. Na data fim você pode informar, por exemplo, a DCB do benefício ou a data em que o INSS começou a pagar o benefício por força de decisão de antecipação de tutela por exemplo. 

Afinal, se o INSS começou a pagar dentro do processo, os atrasados param nessa data. 

Na DIB e na data de fim dos atrasados, o cálculo é feito pró-rata conforme a quantidade de dias recebidos.

Revisão

Selecionando o tipo de processo como concessão, você pode informar um benefício para contabilizarmos os atrasados.

O cálculo também é feito entre a DIB e a data fim dos atrasados. Na data fim você pode informar, por exemplo, a DCB do benefício ou a data em que o INSS começou a pagar o benefício por força de decisão de antecipação de tutela por exemplo. 

No caso da revisão, informe a DIB do benefício original, pois ela não mudará após a revisão. Mas atenção, na RMI do benefício informe a NOVA RMI obtida com o processo de revisão.

O benefício original recebido pelo autor você deve informar na etapa de abatimentos. A melhor forma de fazer isso é enviando o HISCRE obtido no MeuINSS.

Restabelecimento

Selecionando o tipo de processo como concessão, você pode informar até dois benefícios para contabilizarmos como atrasados. Isso é importante para informar o benefício que foi restabelecido e, por exemplo, uma futura conversão no caso de um auxílio doença que no curso do processo vira uma aposentadoria por invalidez.

Aqui nós usamos a DIB apenas para evoluir a RMI e montar a lista de atrasados. Os atrasados efetivamente começam a partir do dia seguinte à DCB informada. Por isso a DCB aparece aqui como campo obrigatório.

O sistema automaticamente evolui a RMI e monta a lista de atrasados entre o dia seguinte à DCB e a data de fim dos atrasados.

Caso exista uma conversão do auxílio doença em aposentadoria por invalidez no curso do processo por exemplo a data fim dos atrasados do benefício restabelecido (o auxílio doença) será uma nova DCB, pois ele vai ser cessado para ser convertido.

Adicione o novo benefício, por exemplo a aposentadoria por invalidez, e informe a DIB dela, que geralmente vai ser o dia seguinte à data fim dos atrasados do benefício anterior (o auxílio doença).

Dessa forma é possível calcular o benefício restabelecido e, ainda, acrescentar uma conversão de benefícios no mesmo cálculo.

Se houve apenas o restabelecimento, sem posterior conversão, então fique apenas no primeiro benefício.

Esse artigo respondeu sua dúvida? Obrigado pelo feedback! Houve um problema ao enviar seu feedback, tente novamente.

Ainda precisa de ajuda? Entre em contato Entre em contato